Friday, May 05, 2017

O meu bolonhesa, a pedido do marido

English version

My Bolognese sauce / O meu bolonhesa

Este blog nasceu em 2006 (às vezes nem acredito que ainda estou por aqui, para ser sincera) e há anos pessoas me escrevem para me contar que aprenderam a cozinhar comigo – toda vez que leio os e-mails sinto uma alegria imensa, pois sei o quão libertador aprender a cozinhar pode ser: foi para mim.

Então aqui estamos, quase onze anos depois, e desta vez a “revolução” está acontecendo na minha casa: meu marido tem se aventurado na cozinha. :) Tudo começou com sanduíches, depois vieram as sopas e as saladas (muito gostosas, por sinal), e semana passada ele tentou fazer um dos nossos pratos favoritos: macarrão à bolonhesa. Cheguei em casa exausta depois de um dia de trabalho puxado e senti um cheirinho maravilhoso quando a porta do elevador se abriu – por um momento pensei que o cheiro pudesse estar saindo do apartamento ao lado, mas os meus vizinhos, além de serem pessoas barulhentas e grosseiras, não fazem comida cheirosa assim. :)

Para minha surpresa, o perfume vinha do meu apartamento e quando entrei dei de cara com meu marido sorrindo para mim: “surpresa! Fiz o teu molho bolonhesa!” – eu o ajudei a cozinhar o linguine e tivemos um jantar delicioso.

Ele então me contou que ficou meio confuso durante o preparo do jantar e que havia procurado a receita no blog para se certificar de que não estava esquecendo nenhum passo – “não encontrei a receita no TK”, disse ele, e eu respondi que não tinha mesmo publicado. “Já passou da hora, hein?”, retrucou o marido, pois então hoje eu lhes trago o meu molho bolonhesa – e nós o chamamos assim, pois sei que não é a receita mais autêntica que há, mas é a que faço há anos e a que meu marido tanto ama. Nem sempre tenho cenouras e/ou salsão na geladeira para o sofrito, então cebola e alho são os aromáticos que uso; além disso, dificilmente tenho 3 horas sobrando para esperar o molho apurar, por isso o meu molhinho fica pronto em meia hora, mais ou menos. Espero que vocês experimentem e depois me contem o que acharam.

O meu molho bolonhesa
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola grande, picadinha
3 dentes de alho grandes, amassados e bem picadinhos
250g de carne moída
sal e pimenta do reino moída na hora
¼ xícara (60ml) de vinho tinto seco
1 colher (sopa) de extrato de tomate
1 lata de 400g de tomates pelados
1 colher (sopa) de açúcar cristal
2 folhas de louro
5 raminhos de tomilho fresco
1 punhado de folhas de manjericão fresco ou orégano fresco
300g de linguine

Em uma panela média, aqueça o azeite em fogo médio-alto. Junte a cebola e refogue até ficar transparente, 4-5 minutos, mexendo algumas vezes para não queimar. Junte o alho e refogue somente até perfume, 1-2 minutos – não deixe o alho queimar ou ficará amargo. Junte a carne moída e quebre-a com a colher de pau, para soltar bem os pedacinhos uns dos outros. Vá dourando a carne, mexendo algumas vezes. Tempere com sal e pimenta do reino. Acrescente o vinho e então cozinhe por 2-3 minutos ou até que evapore – ao adicioná-lo, raspe bem os queimadinhos do fundo da panela, pois eles dão mais sabor ao molho.

Junte o extrato de tomate e cozinhe por 1 minuto. Acrescente os tomates pelados e amasse-os com um amassador de batata. Encha a lata dos tomates com água até ¾ da capacidade, dê uma mexidinha para raspar todos os restinhos de tomate e acrescente a água ao molho. Tempere novamente com sal e pimenta, junte o açúcar, as folhas de louro e os raminhos de tomilho e cozinhe em fogo baixo, mexendo algumas vezes para que não grude no fundo da panela, por cerca de 30 minutos ou até que o molho encorpe. Junte o manjericão/orégano, misture, desligue o fogo e tampe.

Cozinhe o linguine em uma panela grande com água salgada até ficar al dente. Escorra, junte ao molho e sirva imediatamente.

Rend.: 3 porções


7 comments:

Vi Furrati said...

Eu adoro as suas fotos! Dão uma vontade de provar...

oblogdafenixx.blogspot.com

Heloisa Inoue said...

Meu molho favorito tb :)

Joana S. said...

Achei linda sua narrativa!! Tb tenho uma receita de molho bolonhesa não-ortodoxa, mas vou tentar a sua. Obrigada!

Maíra S. said...

Sempre fico feliz quando vejo alguém descobrir alguma atividade nova, ainda mais cozinhar, que é fundamental a todos!
Eu aprendi a fazer cookies com você, Patrícia! Mas tenho um certo bloqueio com pratos salgados. Vou tentar essa receita de vocês! Obrigada!

Carol Moraes Maia said...

Delícia, Pati! Rápido, prático e salvador nas horas da fome!! Beijos

Diana said...

Olá, Patricia, tudo bem?

Acabo de conhecer o seu blog, pela indicação no 2beauty (sobre o bolo de pinguinho) rs.
Qual o segredo para escolher um bom macarrão? Vc usa aqueles comuns mesmo, de mercado?
Os que consumo lá em casa, estão me fazendo deixar de gostar de macarrão. Eles simplesmente engomam, emborracham completamente. Se eu tentar deixar al dente, ficam duros (crus) por dentro e borrachudos por fora. O segredo está na marca do macarrão? Linguine é melhor que espaguete?

Eu cozinho numa panela de inox com muita água.
Faço o molho á parte, mas confesso que nao sei como esquentar o macarrão sozinho depois (mantenho o molho numa tijela e o macarrão noutra).
Como vc faz? Na verdade, acho que estou perguntando besteira, pois já li que macarrão se faz na hora para uma refeição apenas. Seria isso? Se quisesse comer no jantar eu deveria ao menos fazer o macarrão novamente?
Eu sou leiga na cozinha, estou em aventurando rs

Obrigada pelas receitas deliciosas por aqui. bj

Patricia Scarpin said...

Oi, Vi, obrigada! Bj!

Diana, estou bem, obrigada, e você?
Linguine e espaguete são deliciosos, um não é melhor do que o outro. Eu uso as marcas italianas, como Barilla, Di Cecco e Divella. Na verdade, você mesma respondeu a sua dúvida - sim, o macarrão não espera ninguém - tem que fazer e servir. Se sobrar, você pode fazer uma omelete com as sobras, fica divino, mas requentar macarrão acaba mesmo com ele.
Espero que você continue se aventurando na cozinha.
Beijo grande!

Related Posts with Thumbnails